quinta-feira, 1 de abril de 2010

Nistch e Tozzi - A Pop Art Brasileira



*Cartaz da exposição no lado externo do Centro Cultural Citi. O cartaz mescla a obra "A Mão" de Marcelo Nitsche com "Multidão" de Cláudio Tozzi.

Marcelo Nitsche e Cláudio Tozzi são um dos melhores artistas representantes do movimento da Pop Art no Brasil. O que os torna não só mais dois artistas de um movimento importado dos Estados Unidos, é que as obras de Nitsche e Tozzi são bem mais críticas, irônicas e com fundo político. Por vezes, carregam uma identidade brasileira que nunca seria possível nas obras de Warhol.
Com a exposição de Andy acontecendo na Pinacoteca, esta é uma bela oportunidade para observar estas diferenças, coisa que o Centro Cultural Citi propõe ao trazer essa exposição, em comemoração aos 95 anos da cidade de São Paulo.
A cidade está ficando mais velha, mas em compensação, fica mais rica culturalmente a cada dia.

Comento aqui no Blog cada um dos artistas e suas respectivas obras:

Marcelo Nitsche

Nitsche traz temas mais lúdicos a suas criações, mas no fundo, todas têm o mesmo conteúdo de questionar a vida moderna e o consumo de massa. Também é interessante notar que Nitsche usa diferentes técnicas e materiais em suas obras, além de se aventurar bem mais na escultura do que Tozzi.

*"A Pincelada", anos 2000 - Pop Art com alma de artista. É impossível olhar a obra e não tentar fazer o movimento da pincelada com a mão.


*"A Pincelada" versão "escultura"- A obra é um paradigma pois, feita de material rígido, não posse ser considerada pintura e nem escultura, por que nem corpo tem. Seria algo como a alma da pincelada.


"A Mão" e "Pneu". Só dá para ver olhando para a obra, mas a gota de sangue escorrendo é em alto relevo, feita de espuma com PVC.


*Cartaz da obra "Código de Barras", exposto na entrada do Centro Cultural Citi.


*E a pintural real de "Código de Barras"na exposição, na variante vermelha. Ambas são de 2002.


*"Explosão", anos 2000. - Será que essa é a bomba de Yroshima?


*"Roupa de plástico", década de 70.


Claudio Tozzi

Tozzi tem como marca principal de seu estilo trazer coisas do cotidiano para suas obras. "A Multidão", por exemplo, poderia ter se passado em qualquer jogo de futebol daqui. Outra característica de seu estilo é a forte presença de símbolos da cultura brasileira e latino-americana, que Tozzi retratava em suas obras.

*"O Astronauta"- A obra retrata os avanços tecnológicos e a conquista espacial.


*"Lunar", de 1972/73.



*"Panela de Pressão"- A modernidade chegou aos nossos lares (Nas Casas Bahia mais perto de você).


*"O olhar", de 1967- Obra enigmática, com técnica parecida com a que Andy usava (cerigrafia + pintura) e com ótima combinação de cores. Mais 60's, impossível.


*"Dupla Face", de 1968. A mesma técnica da anterior, com uma "loucurinha" psicodélica. Legal é o jogo de perspectiva que Tozzi usou.


*"Che Guevara", o revolucionário argentino ganha ares de super herói.


*"A Multidão", de 1968. Símbolo máximo de nossa sociedade e de nossa cultura.



"Ambulância", com técnica de pontilhado bem mais detalhada e com aparência "nublada".


*"Elevador"- Símbolo do que se tornou nossas moradias na vida moderna, com prédios cada vez mais altos, onde trabalhamos e vivemos. A combinação de cores da obra também é belíssima.


*"Parafuso", de 1972. O jogo de cores dá profundidade e movimento ao desenho.


*"Papagália", de 1980- Símbolo de nossa fauna e flora, em uma fase mais naturalista do artista.



*Cartaz da obra "Em Viagem" de 1967, exposto na entrada do Centro Cultural Citi.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget