sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Filmes com um diferente olhar sobre o amor- Parte 1

Ainda faltam alguns dias para a semana de Nova York. Enquanto ela não chega vou me deliciar escrevendo sobre 3 dos meus filmes favoritos.
Estes filmes ganharam um lugar no meu pódio pois todos possuem um quê a mais quando falamos de filmes românticos.
Os filmes românticos geralmente são vistos como filmes inferiores e cheios de clichês. A verdade é que a maioria dos filmes desse gênero não vão muito além dos clichês.
O casal se conhece, se amam desde a primeira vez, acontecem alguns desentendimentos mas no final o relacionamento acontece e eles são felizes para sempre. Final da história. Final mesmo, pois nesses filmes, o que acontece depois nunca é discutido.
E aí está a diferença entre a maioria dos filmes e os filmes que eu listarei aqui: Todos eles tentam uma discução sobre o que aconte depois.
Por isso, se deliciem também com essa série, por que além do roteiro ser bom, esses filmes também arrazam no figurino. Como não poderia deixar de ser, nessa série também será discutido como as roupas influenciam nos significados da história, e na construção da personalidade das personagens.

E os escolhidos são:

1- Closer




2- Vicky, Christina, Barcelona




3- Les Pouppés Rousses (Bonecas Russas)


segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Mudanças nas Semanas de Moda



Fiquei sabendo que semana de moda de NY vai ganhar uma semana de moda paralela, acontecendo nos mesmos dias que a oficial. Pois é, a MAC, aquela marca de cosméticos super chic que sempre foi a maior patrocinadora da Mercedez Bens Fashion Week anunciou que vai criar sua própria semana de moda em parceria com a Milk Studios.

O que muda?

O legal dessa semana é que ela vai ser mais alternativa, pois irá trazer estilistas que não desfilariam na semana oficial, como Alexandre Wang, Proenza Schouler e Pamela Love.
A semana de moda da MAC será um verdadeiro incentivo para novos criadores, pois agora eles têm uma opção "mais barata" que possibilita fazer desfiles para suas marcas.


Milk Studios, onde acontecerá a MAC Fashion Week.



Foto da semana de moda "oficial" de NY, a Mercedez- Bens Fashion Week.

Mas não para por aí...

Também foi anunciado que a semana de Londres também terá uma semana de moda paralela, a High Street Fashion Week, que acontecerá na tradicional Oxford Street. Trará nomes como House of Fraser, John Lewis, Topman, Uniqlo, Next, Office, River Island e o estilista Paul Costelloe, que deixará a semana oficial para desfilar pela primeira vez na HSFW.


Oxford Street, onde acontecerá o High Street Fashion Week.

Acho interessante que essas semanas de moda não sejam monopólio de apenas uma empresa. Isso promove uma maior democratização, que é a palavra de lei da moda do nosso tempo.
Aliás, não é por acaso que essa nova semana de moda de Londres se chama High Street Fashion Week. Acredito que o objetivo seja mesmo levar o que acontece nas rua direto para as passarelas.
Agora é esperar para ver se as semanas de Milão e Paris vão aderir.

E a São Paulo Fashion Week... Será que já podemos sonhar com uma semana de moda paralela?


Imagem da última SPFW, que por enquanto, não conta com nenhuma concorrente.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

I Love New York

Bom, agora que a série sobre o rock e a moda acabou, é hora de acompanhar a temporada de desfiles internacionais. A primeira delas é a semana de Nova York. E os olhos do mundo se voltam para essa cidade que segundo muitos, é a mais cosmopolita do mundo.
A semana de moda começa dia 10 de setembro. E pode apostar: tudo o que se vai ouvir até lá é Nova York.
Por isso, selecionei aqui algumas imagens que são a cara de Nova York.



Quem ama essa cidade é capaz de declarar seu amor.




Wall Street: Principal centro comercial do mundo.




NYC é cercado de cultura urbana por todos os lados.




Serena sabe disso como ninguém e não abre mão de Manhattan por nada.




Nova York é pura diversidade étnica e cultural. Quem não ama New York ?

O rock e a Moda - Parte 8


O estilo das principais figuras do rock atual

Para fechar a série o Rock e a Moda com chave de ouro, fiz esse último post com o estilo das principais figuras do rock atual, como tinha prometido.
O que mais gosto do rock anos 2000, é que eles têm uma relação especial com a moda. Não a vêem com olhos críticos, fazem uso dela. Alguns com seu estilo único e outros, por figurinos criados especialmente para a banda.

Bom , é isso.
EEEEE chegou ao final !



Jack White e Meg White- Roupa não é o bastante para expressar a forte identidade visual da dupla de Detroit. No White Stripes, figurinos com influências blues, folk e country são desenvolvidos especialmente para os shows da banda, e editoriais babados são feitos para ilustras seus encartes de CD.
Sempre nas cores branco, vermelho e preto, as tradicionais cores da banda.



Karen O- Androgenia com atitude punk. Karen O também é performática como o White Stripes, por isso é adepta do figurino extravagante e tem como influências o glam rock, um estilo de rock que têm como identidade visual peças com cara de sadomasoquismo. Por isso Karem não abre mão dos brilhos e tachas.Tem como ícone David Bowie.


Julian Casablancas- Julian Casablancas é filho de John Casablancas, fundador da agência de modelos Elite, e de uma ex modelo dinamarquesa chamada Jeanette Christjansen. Ou seja, moda tá no sangue de Julian.Tem todo um estilo Garage Chic de ser. Usa jaqueta de couro bacana com camiseta fashion sujinha de três dias atráz. Peças vintage (brechó) também são frequentes.



Pete Doherty- Mesmo estilo sujinho do Julian Casablancas, mas até mais ousado, já que Pete Doherty adora usar a tradicional jaqueta de couro e camiseta fashion de Julian com chapéus e correntes, com todo aquele charme britânico.
Aliás, Pete Doherty adorava desfilar seus modelitos ao lado da ex, Kate Moss.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

O rock e a Moda - Parte 7

Anos 2000: O Indie reina e o rock se salva.


Geração IPod: O rock nunca mais seria o mesmo graças a internet.

Neste post vamos entender o que aconteceu com o rock no começo da nossa década. Vou focar o conteúdo na música, pois para mim está sendo muito especial escrever sobre um pouco da história dessas bandas. Mas para compensar, no próximo post vou escrever um pouco sobre o estilo das principais figuras do Rock atual.

No começo da década o rock tinha sido considerado acabado. Tudo o que se ouvia nas paradas ou se via na MTV, vinha da febre pop.
Até que algumas bandas que surgiram no final dos anos 90 foram se tornando conhecidas e e intituladas pela crítica como "salvação do rock". Claro que um título forte assim tem suas justificativas. Essas bandas realmente se diferenciavam. O rock como conhecemos anteriormente, havia sido resgatado. A "salvação do rock" foi uma verdadeira amostra de que o rock podia ser bem melhor do que o pop rock que tomava conta das paradas até então. Muito do sucesso dessas bandas se deve ao crescimento de comunidades da internet como o Myspace onde se pode ouvir o que deseja, e de quebra, conhecer bandas novas. Dessa forma, bandas que não teriam espaço na mídia de massa, podem agora fazer com que suas músicas chegem ao seu público. Esse estilo intitulou-se o que conhecemos como Indie, alternative rock ou garage rock.

Veja algumas das principais bandas que marcaram esse gênero:



Foo Fighters - Quando achávamos que o Nirvana tinha acabado junto com seus integrantes, eis que surge Dave Grohl com o Foo fighter, não mais como baterista, mas como front man mesmo. Aliás, tem albúns do FF que Dave Grohl toca todos os istrumentos. O FF já estava bem conhecido dos anos 90, mas quis destacar aqui no post pois Dave Grohl é hoje um dos grandes nomes do rock.



Queens of the Stone Age- A banda formada por Josh Homme é um dos principais nomes do rock alternativo. Vem de uma vertente um pouco mais pesada, o metal. Acompanho o QotSA desde seu início. Quando vieram para a 3ª edição do Rock in Rio de 2001, não pude ir, pois era muito nova, devia ter uns 13 anos. Não só perdi o show do Queens, mas também perdi a histórica apresentação de Nick Olivieri nu.



White Stripes- Tá aí uma das minhas bandas favoritas. Formado pela dupla de Detroit, Jack White e Meg White, o White Stripes chegou com tudo para mostrar a que veio. Suas músicas têm forte influência do folk e do blues. Começaram com os albuns " The White Stripes " e " The Stijil", mas só se tornariam muito conhecidos com "White blood Cells" e "Elephant". Foram sucesso de venda e de crítica. Em 2005, o White Stripes passou por São Paulo para fazer um show que eu tive a honra de ver.



The Strokes- Cinco garotos de nova york surgem como a maior promessa do rock em anos. The Strokes foi o marco inicial de toda essa leva de bandas de garagem. Começaram com o EP Modern Age, e já foi suficiente para se tornarem disputadíssimos entre várias gravadoras. Em seguida viriam os albúns Is this it e Room on Fire, sucessos de pública e mídia. Em 2006, na época no lançamento de First Impressions of Earth, os Strokes virem vazer um show aqui no Brasil, no Tim Festival, que eu também tive a oportunidade de ver. O evento ainda trouxe outros nomes fortes como M.I.A, Kings of Leon e Arcade Fire.




The Libertines - Imagine um The Strokes britânico, só que bem mais sujo e junkie. O Libertines fez um álbum que rendeu ótimas músicas. Chegou a ser comparado com algo como “o novo The Clash”. Mas a banda infelizmente não durou muito, acabou em 2005. Muito do fim se deve a vida conturbada de Pete Doherty (ex de Kate Moss), que entre uma Rehab e outra, foi expulso do Libertines.


Artic Monkeys- Já faz parte da geração que foi influenciada por Strokes. Surgiram dos subúrbios londrinos e após gravarem um EP, estouraram no Myspace. Quem não lembra de hits como “I bet that you look good on the dancefloor” e “When the sun góes down” ?



Yeah Yeah Yeahs - Outra banda que surgiu do cenário novaiorquino. São considerados “Art Punk”, por suas músicas pesadas, cheias de atitude e performances que realmente podem ser chamadas de arte. A vocalista Karen O é uma das maiores figuras femininas do rock atual.



The Hives- É a representante sueca do indie rock. Em 2oo1, o The Hives já estourava nas paradas com hits como “ Hate to say I told you so” e “ Walk idiot walk”. O The Hives é uma banda com forte presença de palco, que rende performances incríveis ao vivo.



The Vines - Grupo Astraliano com fortes influências do grunge e do britrock lá dos anos 60. The Vines é a pura fusão entre rock pesado e psicodelia. Essa fusão rendeu ótimos hits como "Get Free" e "Ride”. Ao longo do tempo, o The Vines produziu albúns como Highly Evolved, Winning Days, Vision Valley e Melodia, firmando assim, a banda no cenário musical.

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

O rock e a Moda - Parte 6

Heroin Chic, Seatle , saudosismo ao punk : A rebeldia volta mas morre.



Trainspotting: O filme foi duramente criticado por promover o Heroin Chic.


Estamos quase chegando ao final da nossa série sobre o rock e a moda. Achei muito legal o jeito que os posts fluíram até agora. Fomos vendo década por década, acompanhando os acontecimentos de cada geração do rock. Até aqui, tudo o que coloquei foi fruto de muita pesquisa. Mas dos anos 90 em diante posso colocar mais da minha vivência com música, pois são épocas que de fato fazem parte da minha geração.

Bom, vamos ver o que aconteceu:
Grunge: A década começa com os olhos voltados para Seatle. De lá surgem bandas que em resposta a todo o Glam e a massificação do rock, tocam um som totalmente de garagem, sujo, agressivo e com letras melancólicas. Um verdadeiro revival dos valores do punk. Mas com uma diferença: Os meios de comunicação. Se no início do punk nem se sonhava com a internet, na década de 90 já haviam a MTV e a internet, que deram a possibilidade da informação chegar a muito mais pessoas. Nem precisaria falar da banda mais influente do grunge: Nirvana. Começaram como uma banda independente, mas logo "smell like teen spirit" chegaria as paradas do mundo todo. Isso mesmo, mundo todinho, pois foi nessa década que a globalização de fato aconteceu. Outras bandas grunge que se destacaram: Pear Jam, Soundgarden, Alice in Chains.

Ok, agora vamos falar um pouco de moda:
As roupas se tornaram mais simples, bem menos espalhafatosas do que as da década anterior.Nos editoriais de moda reinava a estética chamada Heroin Chic. Modelos eram fotografadas em roupas minimalistas, com a pele pálida, olhos aparentando olheiras, e ossinhos a mostra. Kate Moss foi a que mais marcou essa estética. (Aliás, existe modelo mais rocker do que ela?) .Ensaios com essa estética, e até o filme de Dany Boyle, Trainspotting, foram duramente criticados por grupos anti-drogas por promover essa estética. Até que por fim, Bill Clinton, presidente dos EUA na época, proibiu o heroin chic.Radicalismos a parte, eu particulamente não acho que ensaios de moda influenciem pessoas a usarem drogas. But...

Vamos voltar para a música. Dizem as más línguas que o grunge perdeu sua força depois que Kurt Cobain se suicidou em 1994. Mas a verdade é que isso só o tornou mais popular. Afinal, o que melhor para um movimento com visão pessimista de futuro do que um mártir ?
A partir daí, a música tomou alguns rumos:

Britpop: Depois do furor em Seatle, os olhos do mundo se voltaram um pouco para o cenário musical britânico. Bandas mais arrumadinhas, com som um pouco mais sofisticado, perto do que se denomina pop. Blur, Oasis e Supergrass são algumas dessas bandas.

Neo-Psicodelismo: Bandas que faziam um som a partir de várias misturas, com letras positivistas-realistas. Ou seja, os ideais de paz e amor mas sem inocência. Com certeza esse foi o melhor que se pode tirar dos anos 90. Bandas: Cake ( Amo, amo, amooooo), Smashing Punpikins e REM.

Circuito Alternativo: Fora do que acontecia na mídia de massa, algumas bandas começaram a surgir no cenário independente, e se tornariam muito do que se chama hoje o Indie. No próximo post, falarei bastante do indie rock. Bandas: Radiohead, Pixies, Weezer, etc.

Bom, espero que tenham gostado! Nos vemos na década de 2000 !!!!!!




Nirvana: O rock ganha o grunge e seu último mártir.


Kate Moss: Since the 90's, you rock baby !!!



Oasis e Blur: Depois de Seatle, a cena musical se tornou mais britânica.







Cake: Letras positivistas mas a inocência ficou para tráz.




Smashing Punkpikins: Mistura de várias influências ditam o estilo neo-psicodélico.




Radiohead e Weezer: Vanguarda, mostrando o que viria por aí.


sexta-feira, 31 de julho de 2009

O rock e a Moda - Parte 5


Anos 80: Melancolia, exotismo e a volta às origens



Foto do The Police no começo dos anos 80. Merece destaque no post pois é uma das minhas bandas favoritas.


No começo na década de 80, ainda sob forte influência do punk, muitas bandas surgiram com o mesmo espírito de insatisfação. A diferença agora estava no aparecimento da música eletrônica. Adicionada ao rock, fez com que as musicas não fossem feitas mais apenas com os tradicionais instrumentos como bateria e guitarra, agora sintetizadores eram usados para fazer novas experimentações no rock. Bandas como Joy Division e The Cure marcaram muito este período. O Joy Division parecia não muito preocupado com o visual, o negócio deles era fazer música mesmo. Já o The Cure trouxe bastante informação de moda, como maquiagem pesada, roupas dramáticas e cabelos desalinhados.
Também ouve uma forte mistura do pop com o punk rock, com influências de reggae e ska, trazendo exotismo ao rock. Bandas como The Police e Duran Duran faziam parte desse movimento. Essa era a “new wave”, ou nova onda.
O visual da new wave ainda adotava muito do punk, afinal ele se tornou símbolo do rock. Mas vendo as fotos do Duran Duran e do Police, agente pode ver o quanto o visual deles é bem mais colorido, e ainda com a presença da cor oposta a cor do rock: o branco. Reflexo do próprio som dessas bandas, que era muito mais leve e, consequentemente, muito mais popular.
Também houve na década de 80 uma releitura da geração beat, aquela do início do rock. Bandas como o Queen cantando “this crazy little thing called love” e B52’s com “Love Shark” marcaram a cara do pós punk.E na moda o visual “teddy boy” voltou com tudo: Jaquetas de couro, calça jeans, camiseta e topete. O visual das meninas do B 52’s tinha influências lá dos anos 60, com mini saia, cabelo estruturado e olhos marcados. Aqui já dá pra perceber que mesmo falando de uma década específica, quando se fala de moda, inflências de várias épocas se misturam.




The Cure: Visual dramático, com roupas pretas, cabelo desalinhado e maquiagem pesada.



Joy Division: Visual " nem ligo para a moda, meu negócio é musica mesmo". Mas ainda assim elegante, com um "quê" de Bitrish.




The Police: Camisas e coturnos, mas usando cores. Forte presença do branco.



Duran Duran: Olha a diferença desse visual para o punk. A jaqueta de couro ainda esta lá, mas bem mais arrumadinha, misturada com cores, estampas, detalhes, etc.



Queen: Visual "Teddy Boy"com jaquetas de couro, camiseta e topete.



B 52's: Meninos com visual Teddy Boy, meninas com influências 60s': Cabelos estruturados, mini saia e olhos marcados.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

O rock e a Moda - Parte 4


O sonho acabou, mas o rock continua: A geração Punk




Ilustração da Deby Harry do Blondie em estilo Pop Art


Na década seguinte, quando toda a euforia hippie havia se acabado, não só outras bandas apareceram, como novos estilos musicais no rock foram surgindo. Bandas de Hard Rock e Rock Progressivo apareceram com novas propostas.
Um movimento em particular marcou muito essa época: O punk rock.
Ele surgiu nas ruas de Londres, era pela musica e pela arte que os jovens expressavam sua insatisfação perante a sociedade as expectativas de futuro oferecidas por ela. Os jovens já não queriam um bom emprego e uma vida confortável. Queriam morrer cedo e viver intensamente. Quando se fala de punk rock, impossível não lembrar da estilista Viviene Westwood, que surgiu no começo desse movimento, e assinou o figurino de nada mais nada menos que Sex Pistols , a banda mais influente do Punk Rock. Outras bandas também foram muito importantes para a geração punk, como Velvet Underground e Iggy Pop e os Stooges. O visual Punk era tão agressivo quanto a sua mensagem. Usavam tudo que era considerado lixo, como roupas rasgadas, desconstruídas, com aplicações pesadas de tachas, anfinetes, etc. E se você reparar nas fotos, a peça que mais aparece é o jeans (sempre ele). Jaqueta de couro também está bem presente nas roupas masculinas.
Os cabelos eram feitos de forma pouco convencional, com cores chocantes e cortados em moicanos.Esse visual, inicialmente foi duramente criticado, mas logo influenciaria até a moda de massa.No final da década de 70 , outras bandas começaram a surgir já influenciados pelo punk: Blondie, Ramones e Talking Heads. Essas bandas já representavam o que se tornaria o pós punk. Nos guetos, o som que rolava era o break e o hip hop. Esses eram os sons da contracultura, enquanto que o que imperava nas paradas era a Disco.



The Stooges: Camiseta Básica, Jeans , Crucifixos, e óculos escuros. Olha o jeans apertadinho do Iggy.


Sex Pistols: Camiseta estampada, Jeans surrado e Jaquetas de couro.



Soft Punk: Terninhos e cabelinhos a la Beatles. O visual do Blondie era bem mais arrumadinho do que o dos punks em geral, mas sem deixar de ser contestador.




Ramones: Cabelos longos, jeans, camisetas de banda e tênis.


Taling Heads: Outra banda com visual arrumadinho, mas esse tem uma inspiração mais cara de banda dos anos 50.
Ocorreu um erro neste gadget