sexta-feira, 7 de agosto de 2009

O rock e a Moda - Parte 6

Heroin Chic, Seatle , saudosismo ao punk : A rebeldia volta mas morre.



Trainspotting: O filme foi duramente criticado por promover o Heroin Chic.


Estamos quase chegando ao final da nossa série sobre o rock e a moda. Achei muito legal o jeito que os posts fluíram até agora. Fomos vendo década por década, acompanhando os acontecimentos de cada geração do rock. Até aqui, tudo o que coloquei foi fruto de muita pesquisa. Mas dos anos 90 em diante posso colocar mais da minha vivência com música, pois são épocas que de fato fazem parte da minha geração.

Bom, vamos ver o que aconteceu:
Grunge: A década começa com os olhos voltados para Seatle. De lá surgem bandas que em resposta a todo o Glam e a massificação do rock, tocam um som totalmente de garagem, sujo, agressivo e com letras melancólicas. Um verdadeiro revival dos valores do punk. Mas com uma diferença: Os meios de comunicação. Se no início do punk nem se sonhava com a internet, na década de 90 já haviam a MTV e a internet, que deram a possibilidade da informação chegar a muito mais pessoas. Nem precisaria falar da banda mais influente do grunge: Nirvana. Começaram como uma banda independente, mas logo "smell like teen spirit" chegaria as paradas do mundo todo. Isso mesmo, mundo todinho, pois foi nessa década que a globalização de fato aconteceu. Outras bandas grunge que se destacaram: Pear Jam, Soundgarden, Alice in Chains.

Ok, agora vamos falar um pouco de moda:
As roupas se tornaram mais simples, bem menos espalhafatosas do que as da década anterior.Nos editoriais de moda reinava a estética chamada Heroin Chic. Modelos eram fotografadas em roupas minimalistas, com a pele pálida, olhos aparentando olheiras, e ossinhos a mostra. Kate Moss foi a que mais marcou essa estética. (Aliás, existe modelo mais rocker do que ela?) .Ensaios com essa estética, e até o filme de Dany Boyle, Trainspotting, foram duramente criticados por grupos anti-drogas por promover essa estética. Até que por fim, Bill Clinton, presidente dos EUA na época, proibiu o heroin chic.Radicalismos a parte, eu particulamente não acho que ensaios de moda influenciem pessoas a usarem drogas. But...

Vamos voltar para a música. Dizem as más línguas que o grunge perdeu sua força depois que Kurt Cobain se suicidou em 1994. Mas a verdade é que isso só o tornou mais popular. Afinal, o que melhor para um movimento com visão pessimista de futuro do que um mártir ?
A partir daí, a música tomou alguns rumos:

Britpop: Depois do furor em Seatle, os olhos do mundo se voltaram um pouco para o cenário musical britânico. Bandas mais arrumadinhas, com som um pouco mais sofisticado, perto do que se denomina pop. Blur, Oasis e Supergrass são algumas dessas bandas.

Neo-Psicodelismo: Bandas que faziam um som a partir de várias misturas, com letras positivistas-realistas. Ou seja, os ideais de paz e amor mas sem inocência. Com certeza esse foi o melhor que se pode tirar dos anos 90. Bandas: Cake ( Amo, amo, amooooo), Smashing Punpikins e REM.

Circuito Alternativo: Fora do que acontecia na mídia de massa, algumas bandas começaram a surgir no cenário independente, e se tornariam muito do que se chama hoje o Indie. No próximo post, falarei bastante do indie rock. Bandas: Radiohead, Pixies, Weezer, etc.

Bom, espero que tenham gostado! Nos vemos na década de 2000 !!!!!!




Nirvana: O rock ganha o grunge e seu último mártir.


Kate Moss: Since the 90's, you rock baby !!!



Oasis e Blur: Depois de Seatle, a cena musical se tornou mais britânica.







Cake: Letras positivistas mas a inocência ficou para tráz.




Smashing Punkpikins: Mistura de várias influências ditam o estilo neo-psicodélico.




Radiohead e Weezer: Vanguarda, mostrando o que viria por aí.


Um comentário:

  1. anos 90 é pura nostalgia. adoramos o post! http://www.estilloconsultoria.com.br/blog/

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget